Edição
Edição
Sulminas146

Sul de Minas

Associação ampara animais em pequena cidade do Sul de Minas

Atualmente, 27 cães são cuidados pela Associação em Marmelópolis.

Foto: Arlete Ribeiro Freitas
Foto: Arlete Ribeiro Freitas
Associação está com 27 animais em Marmelópolis

Em uma pequena cidade do Sul de Minas, com 3 mil habitantes, uma Associação trabalha para amparar animais abandonados e mudar a visão de como as pessoas enxergam a relação humana. Em Marmelópolis, encravada na Serra da Mantiqueira, a Ampara (Associados Marmelopolenses de Proteção aos Animais Rejeitados e Abandonados) trabalha no momento com 27 animais.

“O trabalho com os animais, que sempre amei desde criança, tem a finalidade de proporcionar, aos animais, qualidade justa de vida e aos humanos, a mudança de olhar para a relação humana e tudo que está a sua volta: fauna e flora. Saber que fazemos parte de uma única família, portanto, todos somos irmãos. Respeitar e Amar ao outro é Amar e Respeitar a si próprio”, explicou Arlete Ribeiro de Freitas, responsável pela Associação.

Segundo ela, a Ampara faz parte da Resgacti de Itajubá, uma Ong que tem autonomia a nível nacional. Através dela conseguimos ração a preço de custo.

Atualmente, a Associação funciona na casa de Arlete e recebe ajuda de um Bazar, que abre uma vez por mês. Toda a renda é repassada para Ampara.

“O espaço físico é a minha casa onde construí um canil com algumas baias. Hoje cuido de 27 cães entre grandes e pequenos. Quase todos chegaram aqui em estado crítico. Doações importantes tenho recebido de pessoas de muitos lugares”, conta.

Natural de Marmelópolis, aos 12 anos foi embora para São Paulo e retornou para as montanhas da Serra da Mantiqueira depois de se aposentar, em 2008. Aos poucos, vê seu trabalho na associação dando resultados.

“Os objetivos, devagarinho, estão sendo atingidos. A comunidade está mudando seu olhar para o meio ambiente. Mudar uma cultura leva um tempo razoável. Eu sou bem teimosa quando uma ação visa a melhora coletiva e aqui envolvendo todas as criaturas”, conclui.

Seja o primeiro a comentar