Edição
Edição
Sulminas146

Destaque no Sulminas146

Bocaina de Minas, no Sul de Minas é impedido de depositar lixo a céu aberto

Decisão judicial obtida pelo MPF objetiva resguardar áreas de proteção ambiental situadas em Bocaina de Minas, na divisa com o estado do RJ.

Com informações do MPF

O Ministério Público Federal (MPF) obteve uma decisão judicial que impede o município de Bocaina de Minas, que fica no Sul de Minas, de depositar lixo urbano, a céu aberto, em áreas de proteção ambiental.

Bocaina de Minas está situada no sul do estado de Minas Gerais, na divisa com o Rio de Janeiro, e grande parte de seu território integra o Parque Nacional do Itatiaia, inclusive o lado mineiro do Pico das Agulhas Negras. Outra parte está inserida na Área de Proteção Ambiental Serra da Mantiqueira, ambas unidades de conservação federais.

De acordo com o MPF, além do depósito irregular do lixo urbano, a prefeitura vem degradando o meio ambiente local por meio da extração irregular de recursos minerais, especialmente areia e cascalho, atividade que, para ser realizada, exige prévia autorização do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e dos órgãos ambientais competentes.

Bocaina de Minas é impedido de depositar lixo a céu aberto (foto: divulgação)

Bocaina de Minas é impedido de depositar lixo a céu aberto (foto: divulgação)

Já são 15 anos, pelo menos desde 1999, que o município vem sofrendo autuações por parte do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), tanto pela extração clandestina de recursos minerais quanto pela deposição do lixo em área de preservação ambiental. Apesar disso, os administradores, ao longo das várias gestões que se sucederam nesse período, continuam insistindo nas condutas irregulares, o que levou o MPF a ajuizar a ação para interromper os danos ao meio ambiente e para obrigar a prefeitura a recuperar as áreas degradadas.

Ao conceder a liminar, o juízo federal de Varginha destacou que a conduta do Município, “além de manifestamente ilegal, acarreta prejuízo material à União, e danos ao meio ambiente”. Por isso, além de proibir a extração de minerais sem licença prévia do DNPM e dos órgãos ambientais, também proibiu a deposição de lixo nas áreas de proteção ambiental.

A Justiça Federal também determinou que o município, em até 60 dias, providencie a elaboração de um plano de recuperação das áreas degradadas, e que em até 120 dias, dê início às ações de recuperação, que deverão ser previamente aprovadas pelo ICMBio. A prefeitura também terá prazo de 120 dias para retirar todo o lixo depositado nas áreas de proteção ambiental.

Leia também:

Proprietária de imóvel situado às margens de Furnas terá de demolir construções

Decisões judiciais impedem danos ambientais ao Parque Nacional da Serra da Canastra

APA da Serra da Mantiqueira deverá ser comunicada sobre concessão de licenças

Leia mais notícias da região no Sulminas146

Acompanhe Sulminas146 no Facebook e no Twitter

Seja o primeiro a comentar