Edição
Edição
Sulminas146

Sul de Minas

Cidade do Sul de Minas é polo de moda íntima

Cidade de 10 mil habitantes concentra mais de 300 empresas formais e outras 100 informais. Seis mil pessoas trabalham no setor, que fabrica por mês 1, 7 milhão de peças e por ano 20 milhões.

Da Sakey Comunicação

Divulgação: Sakey Comunicação
Maior sutiã do Brasil
Maior sutiã do Brasil

Com 24 anos de criação, o polo mineiro de moda íntima não dá sinais de parar o seu crescimento. Juruaia, pequena cidade do Sul de Minas, com pouco mais de 10 mil habitantes, sempre teve na agropecuária a base de sua economia.

Tudo mudou quando, em 1991, um cidadão de Goiás, motivado pelo fato da prefeitura na época não cobrar luz nem água de seus habitantes, resolveu apostar as fichas na cidade com um confecção de moda íntima.

Por ironia do destino, a primeira confecção da cidade não deu certo, mas funcionou tempo suficiente para semear o espírito empreendedor na cidade. Alguns funcionários que aprenderam o ofício com o Alencar, proprietário da primeira confecção, resolveram seguir adiante com a ideia. O resultado pode ser conferido com os números superlativos do terceiro polo de moda íntima do Brasil.

Nas poucas ruas da cidade se concentram mais de 300 empresas formais e outras 100 informais. Seis mil pessoas trabalham no setor, que fabrica por mês 1, 7 milhão de peças e por ano 20 milhões. O faturamento bruto da cidade em 2014, de acordo com a Associação Comercial e Industrial de Juruaia, foi de R$ 180 milhões, aumento de 20% em relação a 2013. Um dado que chama a atenção para o polo é que 95% das empresas são comandadas por mulheres.

Consolidada como polo, Juruaia começou a enveredar pelo nicho de peças diferenciadas, para atrair cada vez mais clientes. É o caso da Ouseuse, uma das mais antigas e tradicionais marcas da cidade. Este ano, lançou a calcinha com forro de íons de cobre. De acordo com a proprietária Rosana Marques, os forros com íons de cobre criam uma proteção natural contra fungos e bactérias sem interferir no conforto da mulher.

“Isso acontece porque as partículas de cobre liberam íons que podem perfurar as membranas das bactérias, destruindo o RNA ou DNA desses agentes. Os íons de cobre são aprovados pela Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos Estados Unidos, que afirmou que as ligas de cobre antimicrobiano beneficiam a saúde pública”, comenta Marques.

Uma grande novidade da cidade é o maior sutiã do Brasil. Com recorde homologado pela RankBrasil, o sutiã possui 15,76m de largura, 5,06m de altura e 3,17m de comprimento de cada bojo, e é 300 vezes maior que a de um tamanho normal. A peça foi lançada oficialmente no dia 7 de setembro, durante a Festlingerie 2015, com a presença de Carol Nakamura do Domingão do Faustão, e o quadro foi apresentado no programa dominical da Rede Globo.

Para a confecção do sutiã, foram necessários 90 metros de tecidos (microfibra, rendão e cetim), 40 metros de TNT e 25,5 metros de espuma. A estrutura da peça exigiu tubos metálicos calandrados em várias dimensões, em um total de 141 metros lineares de metalon. O modelo do sutiã é o tradicional, na cor rubi, com base e recorte no bojo, e conta com aplicação de strass no laço e nas alças. Ao todo, 20 pessoas participaram na execução da peça, que levou quatro semanas para ser confeccionada. Esse sutiã vai ficar exposto na Praça Prefeito Antônio Benjamim, no centro de Juruaia, até o final de dezembro.

Siga o Sulminas146 no Facebook e no Twitter

Seja o primeiro a comentar