Edição
Edição
Sulminas146

Sul de Minas

Crise: turismo no Sul de Minas pode crescer

Turismo nacional tende a aumentar, em razão da crise econômica. Alta dólar faz turista optar em passeios no Brasil.

Artigo por CTCSM
Foto Reprodução.
Sul de Minas deve receber mais turistas
Sul de Minas deve receber mais turistas

Se os relatos dos brasileiros nos últimos anos estavam sendo as viagens para o exterior, com mais frequência e mais familiares podendo usufruir dos passeios, tudo pode mudar. Com o dólar valendo absurdos em reais, a baixa produção do dinheiro em cada grupo familiar e a retração no consumo nos comércios, a opção para os que gostam de viajar pode ser o próprio Brasil.

Na opinião do turismólogo e presidente do Circuito Turístico Caminhos do Sul de Minas (CTCSM), Ricardo Bustamante, os destinos ainda não conhecidos e o turismo de experiência pode trazer um novo fôlego para empresários e Poder Público.

“A tendência é o aumento do turismo doméstico, ou seja, os brasileiros viajarão mais dentro do país. Este cenário também fomenta a vinda de um maior número de turistas estrangeiros, principalmente o norte americano”, disse ele com relação ao cenário nacional.

Questionado sobre a sua região, no Sul de Minas, ele lembra que vivenciar a cultura local vai ser o maior atrativo para quem quiser explorar financeiramente o turismo.

“Já é realidade a busca pelo turismo de experiência, onde o visitante vivencia a gastronomia, a natureza e os atrativos locais da forma mais direta possível, se integrando a região escolhida. Neste cenário despontam as regiões do interior, que possuem equipamentos turísticos que favorecem o turismo de experiência, de forma espontânea e autentica como o Circuito Turístico Caminhos do Sul de Minas”.

Possuir empreendimentos estruturados para receber esses visitantes, estar com as Políticas Públicas caminhando em harmonia e preparar os atrativos naturais são algumas das dicas que o turismólogo citou na entrevista. Para ele, a comunidade é quem recebe o turista, direta ou indiretamente.

“Nós do Sul de Minas possuímos a característica da boa hospitalidade, com destinos turísticos seguros, que transparecem a tranquilidade e jeito mineiro de ser, encantando o visitante. Temos de constantemente procurar melhorar a experiências de nossos visitantes ultrapassando suas expetativas, pois a melhor forma de fidelização e promoção de um território é o boca a boca”, avalia Ricardo.

De acordo com o Departamento de Estudos e Pesquisas do Ministério do Turismo, a moeda norte-americana mais cara vai consolidar a posição de destaque do turismo brasileiro. Viagens domésticas já são responsáveis por 85% a 90% da economia do turismo, em outubro deste ano – com destaque para as capitais.

Congresso Nacional tem Frente Parlamentar Mista em Defesa do Turismo

Até mesmo os deputados federais e senadores da República estão trabalhando com essa opção, o ‘Turismo para Driblar a Crise’. Uma Frente Parlamentar Mista em Defesa do Turismo foi criada com mais 250 representantes, para discutir ações do setor. Entre as propostas: facilitar a emissão de vistos para visitantes estrangeiros, implantação da conta satélite do Turismo e a desoneração da cadeia produtiva.

Em recente seminário, o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, defendeu que a atividade se imponha na agenda política do País, principalmente com a crise atual, que pode gerar oportunidade para o setor. “O turismo tem essa característica única nas vertentes econômicas deste país de estar presente em todos os cantos, e todas as camadas sociais. É preciso reforçar as atividades turísticas para que o turismo venha fazer parte de uma agenda forte, econômica, política e social do Brasil”, disse Alves.

Em 2014, segundo Henrique Alves, no Brasil, a atividade gerou cerca de quatro milhões de empregos e contribuiu com 3,5% do PIB. De cada quatro empregados no mundo, um é do setor do turismo.

Siga o Sulminas146 no Facebook e no Twitter

Seja o primeiro a comentar