Edição
Edição
Sulminas146

Passa Quatro

Trail run no Sul de Minas: desafio para quem é ultra

Primeira prova de trail run do Sul de Minas na temporada movimenta Passa Quatro, no Circuito Terras Altas da Mantiqueira

Por Marcelo Grossi *

Nos dias 18 e 19 de fevereiro, aconteceu em Passa Quatro, no Sul de Minas, o primeiro evento de trail run da região na temporada: o UD Ultra Desafio, prova organizada pela Ultra Runner Eventos. Com percursos de 15, 30, 80 e 120 km pelos caminhos da Serra da Mantiqueira, a segunda edição do UD em terras passaquatrenses reuniu dezenas de corredores e corredoras do Sul de Minas e de outras unidades da federação. Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Distrito Federal, por exemplo.

Para os atletas dispostos a encarar as distâncias mais longas, havia três modalidades nos percursos de 80 e de 120 km: solo (com apoio), “Survivor” (sem apoio) e dupla. São provas árduas e desgastantes, com grande acúmulo de altimetria e muitas horas de atividade intensa, que exigem preparo físico e mental.

Conforme o regulamento, na modalidade “Survivor”, o atleta não podia contar com carro de apoio. Auxílio do carro de apoio de outros atletas somente em caso de emergência. Para completar o percurso de 80 ou 120 km, cada “survivor” (sobrevivente, em inglês) tinha à disposição apenas os carros de apoio da organização da prova e os postos de controle (PCs), de passagem obrigatória.

O ultramaratonista Thiago Coutinho Moreira, 34 anos, da equipe Só Canelas, de Brasília, foi um dos atletas que completaram o percurso de 120 km na modalidade “Survivor”, conquistando a 11ª colocação na classificação geral e o 5º lugar na categoria M3039, com 20h26 de prova. “Foi um grande desafio para mim, um teste de força e cabeça. Comecei a correr às 9 da manhã no sábado sem hora para terminar, o sol castigou um pouco, mas a paisagem e a energia dos corredores fizeram todo o sacrifício virar uma diversão”, disse ele.

A ultramaratonista Tomiko Eguchi, 66 anos, japonesa de Nagasaki e radicada em São Paulo, foi uma das cinco mulheres inscritas para encarar a maior quilometragem, também sem apoio. “Prova difícil, com sol quente, mas eu consegui! Terminei com 23h21”, afirmou ela. Tomiko ficou em 4º lugar.

A participação de atletas passaquatrenses foi maciça: 49 corredoras e corredores inscritos no UD. Por ser a meca do montanhismo no Brasil e, cada vez mais, também da corrida de montanha, Passa Quatro tem vários talentos na modalidade.

Um deles é Leandro Fernandes Gonçalves, 32 anos, campeão da prova de 15 km, com tempo de 1h14. Mais conhecido como Bin Laden, em 2016, o atleta completou com tempo líquido de 56:24 os 15 km da São Silvestre, uma das corridas de rua mais tradicionais do País, conquistando o 92º lugar na classificação geral. Vale lembrar que Leandro também é um ícone do mountain bike na região.

Foto Reprodução.
Leandro Gonçalves
Leandro Gonçalves

Na edição de 2017 do UD Passa Quatro, o percurso de 15 km foi a modalidade que teve mais participantes passaquatrenses: 19 homens e 5 mulheres.

Na prova de 30 km, foram 12 homens e 6 mulheres. O corredor de Passa Quatro mais bem classificado na modalidade foi Natanael Ramos Cuba, 34 anos, que conquistou o 3º lugar na classificação geral. Entre as mulheres, Andresa Martins Carneiro, 36 anos, foi a passaquatrense mais bem colocada, em 4º lugar.

Foto Reprodução.
Andresa Martins
Andresa Martins

A Secretaria Municipal de Esporte é o maior incentivador da corrida de montanha em Passa Quatro. Nos eventos esportivos promovidos na cidade, graças à articulação com os organizadores de provas, inscrições são distribuídas entre os atletas locais, tanto aos mais experientes quanto aos iniciantes, em contrapartida a serviços ou investimentos do poder público municipal.

Thiago Leite Lamin, 34 anos, foi um dos passaquatrenses que fizeram sua estreia em corridas no UD. “Foi minha primeira prova na vida. A sensação foi a melhor possível. Contemplar a natureza, praticar atividade física e agradecer a Deus o dom da vida”. Em julho de 2016, pesando mais de 120 kg, Thiago aliou reeducação alimentar e atividade física em busca de mais qualidade de vida. Seis meses depois e com 40 quilos a menos, o empresário é um exemplo de como a corrida transforma. “Não tomei nenhum medicamento e não fui em nenhum médico”, completou.

Foto: reprodução
Thiago Lamin
Thiago Lamin

A participação no Ultra Desafio Passa Quatro foi a estreia de Mariana Cartier Mota, 17 anos, no trail run, depois de uma única corrida de rua de 10 km. Praticante de musculação, a estudante do último ano do Ensino Médio é diabética. Ela correu 15 km pela primeira vez no UD. “Passei mal durante a prova por causa dos picos de glicose e, com ajuda de outros corredores, consegui terminar o percurso”. Mariana conquistou o 4º lugar na categoria F1629.

Foto Reprodução.
Mariana Cartier
Mariana Cartier

O passaquatrense Matheus Caetano da Silva, 18 anos, outro estreante em provas de trail run, resolveu começar com 30 km logo de cara e conquistou a 10ª colocação na classificação geral na modalidade e o 1º lugar na categoria M1629.

Nathalia Ferreira Rodrigues, 31 anos, disputou sua segunda prova de trail run e também decidiu encarar 30 km. “Foi uma experiência maravilhosa. Completei a prova em 4h48 e fiquei muito feliz”, afirmou. “Uma das maiores experiências durante a prova foi subir boa parte do percurso com a atleta Tomiko, que me motivou muito. E sem contar as paisagens e araucárias que tinha no caminho”.

Como qualquer ultramaratona, o UD teve outras histórias de superação. Os corredores Gabriel Motta Pereira, 30 anos, e Willian José Peres, 28 anos, foram protagonistas de uma delas. Gabriel é educador físico e praticante de jiu-jitsu, e estava inscrito para a prova de 80 km. Willian, ou Tililiu, é guia de montanha, nascido em Itanhandu e morador de Passa Quatro, cidades distantes 13 km uma da outra, e estava inscrito para a prova de 120 km. Ambos na categoria “Survivor”. Logo depois de ter abandonado sua prova, ao ver que Gabriel também não estava nada bem, Tililiu resolveu acompanhar o amigo. “Ele estava mal. Aí desci com ele o Porto e a Serrinha até Passa Quatro. Bicho guerreiro demais. Não soltou o osso, não. Passaram vários carros e ele não quis entrar”, contou Willian.

Foto: Bruno Zanini
Gabriel Motta e Willian Peres
Gabriel Motta e Willian Peres

Gabriel completou os 80 km em 13 horas. Como resultado de sua superação, além das bolhas nos pés, sangue na urina, provavelmente devido à sobrecarga dos rins graças ao esforço sobre-humano. Realmente, não é um desafio para qualquer um.

Além de estimular laços de solidariedade entre os atletas e de promover o contato com a montanha, a realização de provas de trail run estimula a economia passaquatrense. Não só os meios de hospedagem ganham com a presença dos atletas e seus acompanhantes, vindos de outras regiões do País. Todo o comércio local é aquecido.

No entanto, sabe-se que a realização de provas de corrida de montanha em áreas de preservação permanente exige dos organizadores diversas posturas para mitigação de eventuais impactos ambientais. Paulo Lamin dos Santos, 31 anos, Secretário Municipal de Esporte de Passa Quatro entre abril de 2014 e dezembro de 2016, foi um dos integrantes do GT-Montanhas, iniciativa da Área de Preservação Ambiental (APA) da Serra da Mantiqueira, unidade de conservação federal sob gestão do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pela elaboração do documento “Critérios Temporários de Avaliação e Operação dos Eventos de Corridas de Montanha e Assemelhados”.

Lamin é um dos organizadores da edição de 2017 da Short Misión, prova de corrida de montanha que irá acontecer em terras passaquatrenses nos dias 20 e 21 de maio, com percursos de 30 e 55 km. Os atletas inscritos para o percurso mais longo vão largar no Centro de Passa Quatro às 22 horas, para assistir ao nascer do sol no cume da Pedra da Mina (2.798 m), quarto pico mais alto do Brasil.

Cada atleta receberá uma muda de espécie nativa da Mata Atlântica no kit da prova, com um local predeterminado para o plantio. E a organização vai promover mutirões de limpeza nos picos da Pedra da Mina e do Capim Amarelo, tanto antes quanto depois da prova, além de campanha de arrecadação de alimentos para o Lar Esperança e Amor, creche de Passa Quatro, e de produtos de higiene pessoal para o albergue municipal. “A responsabilidade socioambiental é um dos pilares da edição de 2017 da Short Misión. Os corredores de fora vão conhecer as belezas da Mantiqueira, sem impactos ao meio ambiente. E ajudando quem mais precisa”, afirmou Lamin.

Será mais uma oportunidade para os talentos passaquatrenses fazerem bonito em sua terra natal.

* Marcelo Grossi é antropólogo, jornalista (9229/DF), servidor da carreira ambiental, suplente de vereador em Passa Quatro e, também, ultramaratonista.

Seja o primeiro a comentar