Edição
Edição
Sulminas146

Em Minas, nascentes dos Ribeirões Arrudas e do Onça são sugadas pela seca

Expectativa é que a chegada das chuvas mais intensas seja capaz de fazer brotar de novo do solo a água fresca que abastece os principais rios de MG

Do EM

A seca que castiga o Sudeste brasileiro vitimou mais duas nascentes simbólicas para mineiros e belo-horizontinos. Por causa da estiagem e dos incêndios, a fonte original do Ribeirão do Onça e um dos olhos d’água que abastecem a cabeceira do Ribeirão Arrudas sucumbiram neste mês, deixando apenas um rastro de terra trincada onde costumava ser o leito. Seguiram o mesmo destino da fonte tradicional do Rio São Francisco, que fica no Parque Nacional da Serra da Canastra, em São Roque de Minas, na Região Centro-Oeste, que já não mina água há mais de 40 dias.

A expectativa é de que a chegada das chuvas mais intensas seja capaz de fazer brotar de novo do solo a água fresca que abastece os principais rios de Minas, já que as últimas precipitações ainda não foram suficientes. Mas a situação é de alerta, pois o problema não é localizado: segundo o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), metade das estações de medição nas bacias dos rios Doce, São Francisco e Paraíba do Sul registram nível abaixo do previsto para esta época.

Na Grande BH, de acordo com o serviço de meteorologia da Cemig, só deve voltar chover entre amanhã e a próxima segunda-feira, inaugurando uma temporada mais constante de precipitações, que de acordo com os meteorologistas pode ter volume e constância suficientes para recarregar reservatórios e mananciais na região. No Parque Municipal Burle Marx, no Barreiro, onde passa o curso da nascente principal do Ribeirão Arrudas, logo depois de minar da Serra do Rola Moça, o fio d’água jorra com menos da metade da vazão, mas chegou a estar em situação ainda pior antes das últimas chuvas.

Mesma sorte não teve outra nascente próxima, a única que brota dentro do parque e que também abastece o Arrudas. O olho d’água surgia do alto de um morro, correndo por uma antiga tubulação de PVC, e descia por uma garganta até um brejo cercado por bambuzais. O caminho era usado por estudantes para aprender sobre ecologia e tinha várias pontes. A água também abastecia um lago com peixes, antes de desembocar no encontro de cursos de água que se transforma no ribeirão.

Apenas a armação de ferro sobrou da pequena ponte sobre um dos córregos que dão origem ao Arrudas.  (foto: EM)

Apenas a armação de ferro sobrou da pequena ponte sobre um dos córregos que dão origem ao Arrudas. (foto: EM)

A seca e os incêndios que consumiram 30% do parque, incluindo a área da nascente, fizeram com que o olho d’água secasse completamente. Dentro do cano, só restou poeira. O leito do que antes era o pequeno córrego fica numa paisagem desolada de mata esturricada, com bambus incinerados. Das pontes, só sobraram as armações de metal.

A equipe do Estado de Minas reencontrou na unidade um dos jardineiros que cuidam do espaço, Adilson da Silva, de 49 anos. No ano passado, ele havia sido entrevistado para falar sobre a conservação das águas que brotavam límpidas no parque e eram poluídas por residências logo que deixavam a área. Agora, o trabalhador se assusta com a situação das nascentes que julgava saudáveis. “Fiquei impressionado. Achava que aqui essa água nunca fosse secar, mas a seca e o fogo foram mais fortes que as minas”, disse.

Projeto de Resgate

De acordo com a chefe do departamento Sudoeste da Fundação de Parques Municipais de BH, Edanise Guimarães Reis, a expectativa é de que a fonte volte a minar água com a primeira semana de chuvas. “Estamos preparando um projeto para plantar 100 árvores nativas brasileiras em torno da nascente, para proteger a área de recarga e o local onde brota. Mas estamos buscando investimentos. Temos espaço aqui para receber mais de 2 mil árvores”, disse. A situação é tão grave que até as mudas que crianças plantaram com os pais e que receberam placas com seus nomes foram consumidas pelas chamas, assim como os marcos informativos.

Para o biólogo Rafael Resck, mestre em ecologia aquática e consultor em recuperação de ecossistemas, a seca de nascentes é um termômetro da gravidade da estiagem pela qual um local passa. “Principalmente nascentes importantes, que estão sob a atenção da sociedade por serem de grande importância cultural, como as do São Francisco, do Arrudas ou do Onça. É claro que os rios têm muitas nascentes, mas vão tendo menos volume quando muitas delas secam”, afirma.

Mesmo sendo altamente poluídos, os ribeirões Arrudas e do Onça são de extrema importância, na avaliação do especialista. “Nós sacrificamos as águas desses rios para que Belo Horizonte pudesse crescer e tivesse onde despejar seus esgotos. Não é o certo, mas é como foi feito. Se esses rios secarem, a concentração de esgoto será maior, teremos cursos de esgoto puro, a céu aberto, mais doenças e péssimas condições sanitárias no seu entorno e nos rios que os recebem, como o Rio das Velhas”, alerta Resck.

Enquanto isso…
…torcida pela fonte do Velho Chico

No Parque Nacional da Serra da Canastra, as chuvas ainda não foram suficientes para fazer rebrotar a nascente mais tradicional do Rio São Francisco, em São Roque de Minas, segundo o chefe interino da unidade de conservação, Vicente de Paula Faria. “Se a chuva continuar assim, acredito que antes de dezembro a nascente esteja mais uma vez minando. A vegetação está se recompondo, após os incêndios que devastaram grande parte de nossa área. Aos poucos, o verde está voltando”, afirma. O Velho Chico tem duas nascentes: a histórica, primeira a ser descoberta e que fica no parque nacional, e a geográfica, que estudos comprovaram ser a real, no município de Medeiros, na mesma região.

Leia também:

Chuvas podem não ser suficientes para recuperar déficit nos rios de Minas Gerais

Projeto prevê criação de reserva de água por meio de manancial na serra do Paredão

Acompanhe Sulminas146 no Twitter e no Facebook.

2 comentários

  1. Chuvas podem não ser suficientes para recuperar déficit nos rios de Minas Gerais - Sulminas 146

    […] Projeto prevê criação de reserva de água por meio de manancial na serra do Paredão […]

  2. Projeto prevê criação de reserva de água por meio de manancial na serra do Paredão - Sulminas 146

    […] Em Minas, nascentes dos Ribeirões Arrudas e do Onça são sugadas pela seca […]