Edição
Edição
Sulminas146

Destaque no Sulminas146

Estudo do Sebrae prevê investimentos para o Sul de Minas

Sul de Minas deve ficar com uma fatia pequena do investimento previsto no estudo do Sebrae e não chega a R$ 100 milhões.

Estudo publicado pelo Sebrae Minas estima que o estado vai receber mais de R$ 47 bilhões em aportes nos próximos dois anos. As projeções de investimentos concentram-se no setor industrial, com R$ 31,6 bi, e contemplam todas as regiões de Minas Gerais. A previsão é que o setor de serviços receberá aportes de R$ 9,7 bi, enquanto o agronegócio ficará com R$ 3,5 bi e o comércio com R$ 2,2 bi.

O Sul de Minas vai ser beneficiado com a expansão da sua indústria alimentícia. Até o momento, foram confirmados os investimentos da Ferrero do Brasil, no valor de R$ 54 milhões, em Poços de Caldas, e do Grupo Danone, que vai construir uma nova fábrica na mesma cidade, destinada à divisão de nutrição infantil.

“Esse não é um número fechado. Ele pode ser maior porque ainda temos os investimentos que serão anunciados. Fizemos uma compilação de todos os aportes confirmados para os próximos dois anos, até março de 2017”, esclarece a analista de inteligência empresarial do Sebrae Minas, Paola La Guardia. Para o levantamento, o Sebrae Minas considerou as informações sobre investimentos divulgadas pela imprensa nos últimos meses.

O levantamento aponta que setores tradicionais da economia mineira, como a indústria automobilística e de fertilizantes – a mineração ainda concentra a maior parte dos recursos – perderam espaço para outros em ascensão, como os setores de energia e de infraestrutura de transportes – sinais da diversificação da economia mineira.

Sebrae prevê investimentos para o Sul de Minas

Sebrae prevê investimentos para o Sul de Minas (foto: divulgação)

De acordo com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), os setores que têm despertado mais dos investidores privados são: alimentos e bebidas, energias renováveis, indústria química, farmacêutica e cosmética, comércio e e-commerce e eletroeletrônico. Em 2014, eles foram responsáveis pela maioria dos 180 protocolos assinados com o Estado, no valor total superior a R$ 12 bilhões.

Ainda segundo a Sede, grandes grupos empresariais como a Nestlé, Itambé, Walmart, CSN e Embaré já anunciaram para este ano a concretização de projetos de expansão com o apoio do governo estadual. A expectativa da Sede é que os investimentos em 2015 superem os de 2014, mesmo diante de um quadro de baixo crescimento.

Entre os investimentos, destaca-se a construção de um novo centro de distribuição do Walmart na região Central. Embora essa região continue a receber a maior fatia dos aportes, o estudo indica que as demais também vão atrair grandes novos negócios.

Um exemplo é a região do Rio Doce que, depois da Central, é a segunda na lista das que vão receber mais investimentos industriais: estão previstos mais de R$ 3,6 bilhões. Somente a siderúrgica Aperam South América vai investir na fábrica em Timóteo o montante de US$ 17 milhões.

O Triângulo Mineiro, por sua vez, vai receber quase que a totalidade dos aportes voltados para o agronegócio – mais de R$ 3 bilhões. Destaca-se, ainda, que o Triângulo Mineiro, bem como o Noroeste, Norte e vales do Jequitinhonha e Mucuri, podem receber vultosos investimentos do setor de energia solar por causa da quantidade e intensidade da luz do Sol.

Neste ano, vai ser realizado o primeiro leilão estadual de energia solar fotovoltaica. A iniciativa vai viabilizar a instalação de, no mínimo, seis parques fotovoltaicos, com investimento total estimado em R$ 1 bilhão, além do desenvolvimento de uma nova cadeia produtiva.

Da Agência Minas

Leia mais notícias da região no Sulminas146

Acompanhe Sulminas146 no Facebook e no Twitter

Seja o primeiro a comentar