Edição
Edição
Sulminas146

Destaque no Sulminas146

'Fruta Dragão' é a nova aposta de produtores do Sul de Minas

A pitaya (“fruta dragão”) é rica em vitaminas. Produtores recebem assistência da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG).

'Fruta dragão' é a nova aposta de produtores da região

‘Fruta dragão’ é a nova aposta de produtores da região (foto: divulgação)

Uma fruta exótica está ganhando espaço nas propriedades do Sul de Minas. Há cinco anos, produtores do município de Monsenhor Paulo começaram a plantar pitaya, também conhecida como fruta dragão, e apostam nesta novidade como mais uma opção de renda. Estudos indicam que a fruta é originária das Américas, com relatos de produção na região dos Andes e na América Central. Atualmente, Colômbia e México estão estre os principais países que cultivam a pitaya. Ela também é plantada da Ásia, em países como Vietnã e Tailândia.

A produção de pitaya no Sul de Minas conta com o apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG). Os técnicos auxiliam na elaboração de projetos, articulam a comercialização e promovem a mobilização dos agricultores. “Começamos o trabalho com apenas um produtor, plantando quatro mudas. Atualmente já são mais de 10, em uma área de quase dois mil metros quadrados, e produtores de outros municípios estão interessados em conhecer a produção”, explica a extensionista da Emater-MG, Amélia de Cássia Carvalho. A produção de Monsenhor Paulo é comercializada na própria região. O período de safra é entre os meses de novembro e março e o quilo da fruta é vendido, em média, por R$ 15.

Da família dos cactos, a pitaya pode ser consumida in natura, em saladas ou utilizada em sucos, geleias, doces, iogurtes e tortas. Também conhecida como fruta dragão, possui três variedades. A variedade produzida em Monsenhor Paulo é chamada de pitaya vermelha, tem a casca rosa e a polpa avermelhada. “É uma fruta exótica e exuberante pelo seu aspecto, de paladar levemente adocicado, semelhante à lichia e ao kiwi”, explica Amélia Carvalho.

Benefícios para a saúde

Rica em vitaminas, minerais, a pitaya apresenta diversos benefícios para a saúde. “A fruta consegue proteger as células do organismo, pois a casca é rica em polifenóis, substâncias antioxidantes. Ajuda na digestão, devido à presença de sementes na polpa, e combate doenças cardiovasculares, pois tem ácidos graxos e ômega 3. Também regula o intestino, porque tem oligossacarídeos (açúcares)”, ressalta Amélia.

A pitaya também é uma alternativa para quem quer controlar o peso. De acordo com estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), 100 gramas possuem apenas 50 calorias e a fruta possui propriedades termogênicas (ajudam na queima de gorduras). Outras duas substâncias importantes na dieta também são encontradas: glucagon, que proporciona sensação de saciedade, e tiramina, que inibe o apetite.

Outras regiões produtoras

De acordo com coordenador técnico regional da Emater–MG, Juscelino Eugênio de Rabelo, a pitaya é mais comum no Nordeste do Brasil e no interior de São Paulo. “Em Minas Gerais ainda é pouco conhecida e não existem dados sobre a produção. A Emater–MG também participa de pequenos plantios experimentais nos municípios de Sete Lagoas e Curvelo, na região Central do Estado. É um trabalho inicial que pode gerar bons resultados”, explica.

Da Agência Minas

Leia mais notícias da região no Sulminas146

Acompanhe Sulminas146 no Facebook e no Twitter

Seja o primeiro a comentar