Edição
Edição
Sulminas146

Imagens

Moradores de Campanha, no Sul de Minas, sofrem com falta de água

Campanha corre risco iminente de colapso e água já falta em casas.

Com informações do G1

A cidade de Campanha, no Sul de Minas, já enfrenta dificuldades com a falta de água. Moradores enfrentam todos os dias o risco de que a água pare de sair da torneira e buscam maneiras de economizar para que não falte de vez.

Na casa de Ana Maria Amarante, o registro de água está parado há cerca de uma semana. Campanha é uma das 61 cidades citadas pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) que correm risco iminente de colapso no abastecimento de água.

Ana Maria só não ficou sem água de todo porque a caixa dela foi abastecida por um caminhão-pipa. O destino seria o hospital de Campanha, mas a dona de casa teve que pedir um pouco de água. “Eu pedi o caminhão da Copasa que estava na cidade para abastecer o hospital, sobrou um pouquinho, e aí eu pedi para eles colocarem um pouco na minha casa, porque eu tenho minha mãe que está com cirurgia e não tinha como ficar sem água”, conta ela, em entrevista ao G1.

Na casa da aposentada Mirna Wysocki, a água até veio, mas só de madrugada. “Não é a primeira vez, são várias as vezes que fica sem [água]. Ela vem, desce duas vezes na semana, e assim mesmo uma hora, só um ‘fiozinho’ de nada. Estou pegando [água] até 2h.”

Dona de casa tem que pegar água de madrugada para abastecer casa em Campanha, MG (Foto: Devanir Gino / EPTV)

Dona de casa tem que pegar água de madrugada para abastecer casa em Campanha, MG (Foto: Devanir Gino / EPTV)Copasa,

Em um lava-jato que funciona na cidade, a alternativa foi furar uma cisterna, só que a água não dura muito tempo. Com a falta, o dono está tendo que dispensar clientes. “Nos fins de semana, eu lavava 30 carros, agora a gente passou a lavar de sete a 10 carros, não passa disso. Não tem água”, conta Elias Vitor Arantes.

Em outra parte da cidade, Rossana Gonçalves diz que chegou até a pedir pra Copasa deixar água em um antigo reservatório que está desativado. “Já tem encanamento, tem tudo certinho, dá para usar, e aí pelo menos a gente dá a descarga, lava a roupa, limpa a casa”, relata. A Copasa informou que vai analisar a viabilidade da utilização do reservatório.

Essas situações têm acontecido em praticamente todos os bairros de Campanha. A cidade é uma das 61 em Minas Gerais que a Copasa declarou risco iminente de colapso, ou seja, onde a fonte de captação de água pode secar a qualquer momento.

Sem água, até os banheiros da rodoviária chegaram a ser trancados. “É difícil, porque o pessoal está no ônibus ‘né’, às vezes desce só pra ir no banheiro, então fica complicado para a cidade. Os dois banheiros estavam interditados”, conta o taxista José Antônio Alves.

Além de Campanha, outras 10 cidades do Sul de Minas correm o risco de ficar desabastecidas. São elas: Cachoeira de Minas, Campos Gerais, Candeias, Cristais, Itamonte, Lavras, Piranguçu, Piranguinho, São José da Barra e São Tiago. Já em outros 22 municípios do Estado, entre eles São Gonçalo do Sapucaí, Nazareno e Divisa Nova, a Copasa diz que os mananciais estão sendo aproveitados além da capacidade.

Leia também:

Abastecimento de água pode entrar em colapso no Sul de Minas

Leia mais notícias da região no Sulminas146

Acompanhe Sulminas146 no Facebook e no Twitter

Seja o primeiro a comentar