Edição
Edição
Sulminas146

Minas

Movimento para desacelerar a vida ganha cada vez mais adeptos em Minas

Cada vez mais gente adere ao estilo que, além de rotina menos corrida, envolve redução no consumo e maior convivência com a família, mesmo com um orçamento mais curto.

Artigo por Estado de Minas
foto: Leandro Couri/EM/D.A Press
Haílton Pelaes trocou a beira-mar por um porto seguro em Minas
Haílton Pelaes trocou a beira-mar por um porto seguro em Minas

O engenheiro-agrônomo carioca Haílton Azevedo Pelaes, de 67 anos, ou simplesmente Hito, deixou para trás a casa à beira-mar em um condomínio em Angra dos Reis (RJ), onde costumava velejar nas horas de folga. Há cerca de um ano e meio, escondeu-se com a namorada da adolescência em um sítio sem placa e sem campainha, nas imediações do Convento de Macaúbas, perto de Jaboticatubas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Nem adianta ter pressa para chegar ao seu novo porto seguro. Para evitar naufragar no mar de sossego, o melhor é se orientar pelas indicações dos amigos: virar à direita no Bar do Afonsinho, seguir pela estrada de blocos e entrar na terceira rua de terra à esquerda. Pronto. Depois da árdua jornada, realiza-se a promessa do paraíso.

O aposentado Hito faz parte de um grupo de pessoas que escolheu adotar o estilo slow life, em português algo como desacelerar a vida, reduzindo ainda os padrões de consumo. Uma turma que, por esse mesmo motivo, está também mais abrigada de crises econômicas, como a atual. Esse comportamento vem desencadeando uma revolução silenciosa entre jovens ou aposentados, integrantes de classe média alta ou universitários no começo de carreira, homens ou mulheres. Em comum entre essas pessoas, está a vontade de simplificar o cotidiano e tentar ser mais felizes.

Pisar no abrigo que Hito e Luzia escolheram para viver, por exemplo, é um privilégio. A sala de visitas está localizada do lado de fora da casa, entre árvores antigas e novas. Em volta de um jardim secreto, decorado com imagens religiosas e cristais, estão posicionadas duas espreguiçadeiras e uma rede. Naquele cantinho mágico, nenhum convidado se assenta em ângulo de 90 graus: é obrigado a se reclinar, com os olhos voltados para o céu terrivelmente estrelado à noite, distante dos postes de iluminação artificial. “A essência de viver de maneira mais simples é viver de maneira autêntica”, está escrito na plaqueta, apoiada no pé de mexerica ponkan.

De maneira natural, todos os que chegam tiram os sapatos, sem que ninguém peça. Em menos de cinco minutos, um dos convidados cai em sono profundo. Hito se ajeita na rede. Torna a se levantar, incomodado. Vai em casa buscar uma almofada para a única pessoa que ainda estava de pé. Agora sim, estão todos bem. Só então o carioca começa a liberar pílulas de conversa, mineiramente. “Eu me considero um privilegiado, por ter escolhido viver com pouco dinheiro, por volta de 25% do total que eu costumava gastar”, afirma Hito, pensativo, enquanto faz um carinho na vira-latas Brisa.

Contabilidade

É inevitável pedir novos cálculos a Hito: “Com essa decisão, você considera ter atingido o patamar de, em média, quantos por cento a mais de felicidade?”. Desta vez, ele responde rápido. “Pode colocar uns 100%. Para mais”, diz o aposentado, abrindo o primeiro de muitos sorrisos. Ele conta já ter passado pelo purgatório, trabalhando 10 anos em Brasília e dois em seringais da Amazônia. Agora, optou por ter sossego. “Gosto de ver tevê, mas o aparelho ainda não coube aqui em casa”, diz ele, mostrando a estante de livros. “Uma frase de que gosto muito é de um livro da família Schürmann (famosa por velejar pelo mundo): ‘Se a morte vier me buscar, terá de procurar por mim por esses mares’. Não irá me encontrar vendo tevê, sentado no sofá”, diz Hito, deixando escorrer uma lágrima.

Por fim, o velejador que curiosamente aportou bem longe do mar pergunta se alguém estaria com sede. O calor é demais e o sinal é positivo. Hito então colhe um coco do coqueiro-anão plantado no quintal. Abre-o com um facão, demonstrando habilidade (ele mesmo está fabricando prateleiras e móveis da casa, de madeira reciclada). Serve a água doce, natural. Precisa de algo mais para ser feliz?

Exemplo para nova geração

“Quando engravidei, caiu a ficha: quero ser um exemplo para a minha filha”, refletiu a estudante de antropologia Cecília Lobo, de 23 anos. Ela e o companheiro André, estudante de ciências sociais, decidiram radicalizar o padrão de baixo consumo da família. Aos 6 meses, a pequena Elis veio ao mundo com um enxoval de desapegos, que vai das roupas ao berço, todos doados por familiares.

Para ser uma mãe melhor, Cecília se dedica a amamentar exclusivamente no peito. A filha nunca usou chupeta e nem sabe o que é mamadeira. Além disso, Elis não tem orelhas furadas e usa peças de todas as cores do arco-íris, do rosa ao azul. “Aqui em casa a gente aproveita tudo. Quando ela tiver senso crítico mais desenvolvido, poderá escolher o que vai querer vestir”, explica Cecília, que desde o nascimento da pequena assumiu os próprios cachos. “Alisava meus cabelos desde os 12 anos. Isso deixou de fazer sentido, já que minha filha teria o mesmo tipo de cabelo meu e do meu marido”, compara.

Por seguirem carreira acadêmica, mãe e pai pretendem dedicar mais tempo à criação da filha, se possível trabalhando dentro de casa, dividindo igualmente as funções. O casal de jovens só se desloca de ônibus ou a pé pela cidade. Aliás, nenhum dos dois nem sequer chegou a tirar carteira de habilitação. Elis agradece, feliz da vida, presa ao corpo da mãe em uma espécie de bebê-canguru. “Basta tentar circular às 18h. A cidade já não comporta mais carros. A Terra não comporta nosso padrão de consumo. Já está mais do que na hora de desacelerar e começar a viver de um jeito em que a gente não destrua um ao outro!”, defende.

Ativista das ciclovias, o jornalista ambiental Gil Sotero, de 37, vai e volta diariamente de bicicleta de casa para o trabalho, do Bairro Buritis, na Região Oeste, até a Câmara Municipal de BH, na Leste. Para facilitar, combinou com amigos de guardar a bike no escritório, no Centro da cidade, e seguir de ônibus o restante do trajeto. “Andar de bicicleta me fez repensar os hábitos como consumidor. Passei a comprar mais no comércio local. Não teria sentido ir pedalando a shoppings, por exemplo. Outra coisa é que não dá para carregar muitas sacolas na bike. Descobri que menos é mais”, diz Sotero, também adepto do slow fashion, aprendido nas idas a Nova York: “Lá fora, observei que todos os meus amigos frequentavam brechós de roupas masculinas. Eu chegava a gastar R$ 500 em roupas. Comprando em brechós, invisto R$ 150 pelo triplo das peças”.

Salário de R$ 11 mil recusado

No mês passado, o analista de tecnologia da informação Danilo Sabbagh, de 35 anos, rejeitou a proposta de ganhar R$ 11 mil trabalhando dentro de casa, em esquema de home office, para uma multinacional. Ele se nega terminantemente a cumprir expediente de oito horas diárias. “Era o emprego dos sonhos de muita gente, mas não quero me enquadrar. Só preciso trabalhar duas semanas por mês para tirar o que preciso para me manter e cuidar do meu filho”, contabiliza ele, que dedica as outras duas semanas restantes ao ativismo político. Sua última movimentação foi se unir ao grupo que ocupou por 10 dias a Câmara de Belo Horizonte.

“Não é que as passagens de ônibus baixaram?”, sorri ele, em uma cafeteria no coração da Savassi, onde adora passar a tarde, à toa, conectado ao computador e assistindo à correria insana das pessoas, especialmente no horário do rush. Ao marcar a conversa, sugere antecipar a reunião para a faixa das 15h ou 15h30. “É que, nesse horário, os ônibus estão vazios. Nosso sistema de transporte coletivo não é dos melhores, mas existe e é funcional”, avalia. “Você só precisa estar disposto a andar quatro quarteirões a mais por dia, o que faz até bem para a saúde. Até eu, que sou bem preguiçoso, dou conta”, ironiza.

Segundo Danilo, a vantagem de fazer as próprias regras no trabalho é que ele pode passar a tarde de quarta-feira com o filho, brincando no Parque Municipal. O analista garante ser diferente do lazer nos fins de semana, em que a diversão é disputada com centenas de concorrentes nas filas. “É difícil captar trabalhos que paguem bem, mas o dólar está compensando. Insisto em ser honesto comigo mesmo. Não quero ficar todos os dias trabalhando 10, 12 horas para encher a cara na sexta-feira, tentando esquecer que estou exausto. As pessoas me criticam, porque pensam que vivem em uma zona de conforto. Mas minha maior ambição é estar feliz todos os dias”, afirma.

Siga o Sulminas146 no Facebook e no Twitter

Seja o primeiro a comentar