Edição
Edição
Sulminas146

Destaque no Sulminas146

Museu Histórico de Itanhandu, uma volta ao passado

Local abriga documentos que fazem parte da história de Itanhandu, no Sul de Minas

Do Jornal da Serra

Giba e Tio Héber (centro e direita), no Museu de Itanhandu (foto: Jornal da Serra)

Giba e Tio Héber (centro e direita), no Museu de Itanhandu (foto: Jornal da Serra)

O Museu histórico de Itanhandu, no Sul de Minas, foi criado pela lei n. 1174 de 1988. Muitos itanhanduenses colaboraram com a criação do museu, doando aquilo que poderia ajudar a contar a historia do município. Em 1989, por meio da lei n. 1272, o Museu passou a denominar-se Museu Histórico de Itanhandu Ênio Brito.

O Museu funcionou por muito tempo o prédio do Banco do Brasil, sendo transferido, em maio de 2014, para a Fundação Itanhanduense.

O responsável pelo museu é o Sr. Héber Brito, conhecido na cidade por tio Héber, que guarda com muito zelo e apreço todas as relíquias e documentos que contam a história da cidade, desde sua criação até os dias atuais. O Museu Ênio Brito é constantemente visitado por pessoas da comunidade e, principalmente, por alunos das escolas do município, que buscam informações sobre a cidade, personalidades e famílias tradicionais, além de conhecer muitos equipamentos e peças antigas que não fizeram parte de suas vidas modernas.

O Museu tem em seu acervo o capricho do Tio Héber em cada peça mantida sistematicamente em seus lugares. É a história viva de Itanhandu e de seu povo. Tio Héber atualmente tem a ajuda de Giba, seu fiel escudeiro, que dá todo o suporte para manter viva essa memória bem organizada e à disposição de todos. Visite você também o Museu de Itanhandu e volte no tempo, numa viagem que no mínimo será nostálgica e cheia de surpresas.

Acompanhe Sulminas146 no Twitter e no Facebook.

Seja o primeiro a comentar