Edição
Edição
Sulminas146

Destaque no Sulminas146

Passa Quatro inicia obra de Sistema de Tratamento de Esgoto

Passa Quatro foi contemplada no ano de 2014 com recursos para a construção da estação de tratamento de esgoto no município.

Do Jornal da Serra

Investimento passa de R$ 12 milhões para obra (foto: Petterson Rodrigues)

Investimento passa de R$ 12 milhões para obra (foto: Petterson Rodrigues)

A cidade de Passa Quatro, no Sul de Minas, foi contemplada com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Ministério da Saúde, para construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do município. A obra tem investimento de pouco mais R$ 12 milhões, que iniciou em 2014 e deve ser concluída em agosto de 2016, segundo informações do escopo da obra.

Como é sabido, hoje, a maior parte do esgoto produzido em Passa Quatro é lançado diretamente no leito do rio sem tratamento. O objetivo da obra é captar, tratar e remover os principais poluentes residentes nas águas, sem afetar sua qualidade. Nessa linha, a Estação de Tratamento de Esgoto, é a unidade operacional do sistema de esgotamento sanitário que através de processos físicos, químicos ou biológicos removem as cargas poluentes do esgoto, devolvendo ao ambiente o produto final, efluente tratado, em conformidade com os padrões exigidos pela legislação ambiental.

A importância dessa obra é gigantesca, uma vez que a falta de tratamento dos esgotos (residenciais e, especialmente, industriais) e condições adequadas de saneamento podem contribuir para a proliferação de inúmeras doenças parasitárias e infecciosas, além da degradação do meio ambiente e, evidentemente, do leito e margens dos rios que cortam a cidade, em especial o nosso Rio Passa Quatro.

A disposição adequada dos esgotos é essencial para a proteção da saúde pública. Cólera, disenterias, hepatite infecciosa e inúmeros casos de verminoses são algumas das doenças que podem ser transmitidas pela disposição inadequada dos esgotos, sendo responsáveis por elevados índices de mortalidade em países do terceiro mundo. As crianças são suas vítimas mais freqüentes, uma vez que a associação dessas doenças à subnutrição é, geralmente, fatal.

Outra importante razão para tratar os esgotos é a preservação do meio ambiente. As substâncias presentes nos esgotos exercem ação perigosa nos corpos de água: a matéria orgânica pode causar a diminuição da concentração de oxigênio dissolvido provocando a morte de peixes e outros organismos aquáticos, escurecimento da água e exalação de odores desagradáveis, como é o caso, hoje e, infelizmente, do Rio Passa Quatro, potencializado pela grave estiagem que vem assolando toda a Região Sudeste.

Cumpre realçar que, no Brasil, apenas 20% do esgoto passa por tratamento. O restante é despejado em rios e córregos, contribuindo para aumentar a sujeira, as enchentes e as doenças. Diante disso, evidente que Passa Quatro, com a efetivação deste tão importante projeto, dá um passo à frente quanto a preservação do meio ambiente, seus rios e mananciais.

Cabe sublinhar, a título de informação, que, em Passa Quatro, algumas empresas, excepcionalmente, já possuem suas respectivas estações de tratamento de esgoto, fato que já vem contribuindo com a proteção ambiental.

Desta feita, a preservação do meio ambiente e o cuidado com a saúde da população são fatores de suma relevância no que concerne ao saneamento básico. É isso que o projeto da construção do sistema de tratamento de esgoto no município de Passa Quatro busca: cuidado com a saúde e preservação do meio ambiente, além dos evidentes reflexos no desenvolvimento social, turístico e econômico de nossa cidade.

O JS conversou com o engenheiro responsável pela obra, o Sr Marcio ressaltou a importância da obra para o município, com grandes benefícios na área da saúde, tendo em vista que o esgoto coletado em uma rede apropriada diminui a infestação de baratas e ratos, entre outros benefícios como a redução do mau cheiro em épocas de pouca água, como agora.

Leia mais notícias da região no Sulminas146

Acompanhe Sulminas146 no Facebook e no Twitter

Seja o primeiro a comentar