Edição
Edição
Sulminas146

Notícias

Projeto prevê criação de reserva de água por meio de manancial na serra do Paredão

O projeto prevê que o município controle o gerenciamento do manancial

Da Rádio Difusora

O manancial localizado na Serra do Paredão, que forneceu água a Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas, por 80 anos, é uma solução para o município em caso de impossibilidade de utilizar a água do rio Sapucaí para o abastecimento. O manancial fica onde está localizada a reserva biológica e possui diversas nascentes.

Para o conselheiro do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-Minas) e vereador de Santa Rita, Rinaldo Duarte Teixeira, fazer por meio do manancial uma reserva técnica é uma medida que o poder público pode ter para planejar o gerenciamento dos recursos hídricos no município.

“A Copasa tem as suas captações para o abastecimento que até o momento está sendo satisfatório, mas com essa estiagem amanhã não sabemos. O poder público municipal, porque a reserva biológica é do município, poderia fazer o planejamento de criar um reservatório para que em uma emergência se recorra a ele. É uma questão de planejamento e atitude”, disse Teixeira.

A ideia é desenvolvida no setor de meio ambiente da secretaria de Obras e as observações para a criação da reserva técnica estão nos estudos do plano de manejo da reserva biológica. O biólogo, Giancarlo de Mendes Carli, chefe da unidade de conservação, conta que o abastecimento pelo manancial está desativado desde 2002, depois de uma decisão da Companhia de Abastecimento de Minas Gerais (Copasa) que opera o serviço.

“Toda a água era produzida na serra e vinha sem tratamento, água de excelência qualidade, e abastecia o município. Existe o sistema de abastecimento que é um pouco antigo, mas ainda há a captação, com as caixas de água, e o transporte. Em uma eventualidade esse sistema poderia ser utilizado para o abastecimento público. Na reserva são sete grandes nascentes e outras intermitentes”, explicou o biólogo sobre a disponibilidade hídrica do manancial.

O projeto prevê que o município controle o gerenciamento do manancial e “em função do estudo do plano de manejo achamos por melhor solicitar a devolução do manancial para o município para que a prefeitura administre essas áreas integralmente”. O pedido de devolução do manancial é confirmado pelo secretário de Obras, Luis Alberto Julidori.

O projeto exige detalhamento dos estudos, dinheiro e tempo, mas para Carli é a maneira do município ter uma reserva de água em caso de impossibilidade de abastecimento pelo rio Sapucaí.

“Nós temos a proposta de fazemos um estudo técnico de acordo com a secretaria de Obras e Agricultura, prefeitura e outros órgãos competentes para que haja uma reserva técnica, um represamento em um ponto adequado para que não fiquemos dependentes do rio Sapucaí. Em uma eventualidade de calamidade teríamos um reservatório. É o que acontece com São Paulo, por exemplo, se não tivesse os reservatórios, estariam sofrendo com esse problema mais tempo”, disse.

A chuva que caiu sobre Santa Rita, no último sábado (1°) acumulou sete mm. O índice é da mediação feita pela Cooper Rita no posto de coleta que fica no distrito industrial.

Leia também:

Chuvas podem não ser suficientes para recuperar déficit nos rios de Minas Gerais

Em Minas, nascentes dos Ribeirões Arrudas e do Onça são sugadas pela seca

Acompanhe Sulminas146 no Twitter e no Facebook.

Seja o primeiro a comentar